quarta-feira, 2 de abril de 2014

NAS NOITES DA FAZENDA BREJINHO

PELAS MÃOS DO ARTISTA


Outrora fiel companheira dos dias longos e das noites frias. Disputada foste por moços e velhos que, com seus dedos ávidos, te apalpavam e deslizavam suas mãos em teu corpo inteirinho. 
Nada reclamavas, nada dizias, eras objeto de desejo, de disputa e de alegria.
Gerações e gerações de ti desfrutaram, saciaram suas fomes de prazer, de realização e de glória. Tantos choraram suas derrotas em tua presença e comemoraram a teu lado suas vitórias.
Mas o tempo, ingrato e cheio de revezes, passou rapidamente, e muitos se foram e tantos outros envelheceram. Também tu, decrépita, alquebrada, abandonada e triste quedaste solitária nas cinzas e sombra do passado glorioso.
Lá ficaste por anos e mais anos, esquecida por todos que antes lhe disputavam.
Até que num belo dia, o toque milagroso da mão do artista, com carinho, cura-te as feridas, tampona as crateras que te deformaram , esfolia-te o corpo todo e  banha-te com os mais tênues e poderosos cremes.
Bela e poderosa como dantes, tu ressurges das cinzas, velha dama, incomparável dama, antigo tabuleiro de damas que era de meu pai e que animava e motivava  as noites na Fazenda Brejinho, em Malhada dos Bois – Sergipe.

Antonia Roza

Junho de 2013


Nota do autor:
Foto de Álvaro Lemos, grande fotógrafo português que residia  na cidade de Propriá-Sergipe,  e que ofereceu o tabuleiro de damas, vindo de Portugal, ao amigo  Manoel Gomes de Aguiar. 
                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                

4 comentários:

  1. A principio Pensei que era uma mulher
    Mas se trata do tabuleiro de damas do meu avô ainda alcancei este tabuleiro e as peças originais se possível vou tentar refazê la vale a pena conferir quando tiver pronto eu posto no blog

    ResponderExcluir
  2. Poetiza de tamanha profundidade nos leva a fantasiar....quem seria essa encantada "Dama"? E por fim nos deixa saudosos do tempo em que essa dama aquecia as noites do Brejinho...e msus saudade de vovô Maneca!

    ResponderExcluir
  3. Poetiza de tamanha profundidade nos leva a fantasiar....quem seria essa encantada "Dama"? E por fim nos deixa saudosos do tempo em que essa dama aquecia as noites do Brejinho...e msus saudade de vovô Maneca!

    ResponderExcluir
  4. De Antonio Oliveira Silva (Virman)
    "Pelas Mãos do Artista". Que gostoso de ler! E a surpresa?! Já lhe disse que você devia fazer um levantamento dos seus escritos, completar, se for o caso, e pensar em editar.
    Antonio Silva

    ResponderExcluir